Câmara promove entrega da Medalha João Oscar nesta quinta (26)

Homenageado principal será André Pinto

Agosto, mês dos pais. E, na Câmara de São João da Barra, a data será comemorada na próxima quinta-feira (26), com a outorga da Medalha João Oscar do Amaral Pinto. Desta vez, o agraciado será o filho do ilustre sanjoanense, o bacharel em Administração, técnico em Turismo, contador de histórias, escritor, poeta, contista e historiador, André Pinto.

A medalha foi instituída pela Casa em 2019, e a entrega acontece junto com o Prêmio Pai Talento (no qual cada vereador homenageia um pai com um troféu). Devido à pandemia, o evento não pôde ocorrer no ano passado. “É uma grande alegria receber uma honraria que leva o nome de meu pai e que foi meu professor de história no segundo grau! Duas alegrias imensas!”, destacou.

História – Além de André, João Oscar e sua esposa Cecilia tiveram um outro filho: Luiz Alberto. O casal se conheceu em Teresópolis; cidade onde João morou por muitos anos, casou e viu seus filhos nascerem. Mesmo estando na serra, a ligação com São João da Barra nunca foi esquecida. “Todo mês de janeiro meu pai tirava férias e nós vínhamos para cá, até porque nossa família é toda daqui. Isso acho que, desde os meus quatro anos de idade!”, recorda.

Com a aposentadoria do pai, no início da década de 90, a família decidiu morar em São João da Barra. Foi também em solo sanjoanense que André constituiu sua família, casando-se com Maysa Ines da Silva Gomes Pinto, falecida recentemente. Dessa união, criou sua filha enteada Stéphanye e teve com sua esposa, mais duas filhas: Eloína e Eloisa. O homenageado tem três netos (Théo, Mariáh e Ravi, filhos de Stéphanye) e aguarda a chegada do quarto, que vai nascer em dezembro (o Micael, filho de Eloisa).

Andre Pinto, que tem cidadania sanjoanense, é pós-graduado em Museografia e Patrimônio Cultural; cofundador da ONG Ambiental COCIDAMA e membro da Academia Pedralva Letras e Artes. Atualmente, trabalha no Espaço da Ciência Maria de Lourdes Coelho Anunciação, em Atafona, como monitor e guia de Turismo.

Publicou, participou e colaborou com diversas obras literárias e esquetes locais. É autor de ?O Casamento na Restinga?, “A Expedição de Joaquim Surubim e os Mistérios do Manguezal”; prefaciou inúmeras obras literárias, inclusive uma sobre a história de São João da Barra, resgatada pelo Instituto Federal Fluminense (IFF SJB) e foi co-participante de antologias sobre a história ferroviária do Brasil, em parceria com a Academia Ferroviária de Letras do Rio de Janeiro. É também voluntário, certificado no Canadian Wildlife Service, no programa mundial (USGS ? Science for a Changing World) e foi observer da Herity, sediada em Roma.


Atuou como colunista de vários jornais, tem artigos científicos sobre Turismo, Geologia, Educação Ambiental e Astronomia publicados em anuários, seminários, congressos brasileiros e encontros internacionais. Foi, ainda, o primeiro delegado de cultura de São João da Barra a representar a cidade na III Conferência Nacional de Cultura, em 2013, bem como o primeiro sanjoanense a estar concorrendo ao Prêmio Jabuti de Literatura e também ao Prêmio de Literatura da Biblioteca Nacional – temática juvenil – Glória Pondé. O agraciado também foi eleito como membro da Comissão Estadual de Museus do Estado do Rio de Janeiro por três mandatos ininterruptos, representando o Norte Fluminense. Por sua trajetória, recebeu várias medalhas.


Amante do manguezal, da restinga e das tradições sanjoanenses, foi um dos responsáveis pelo resgate da Procissão do Fogaréu. “Atualmente, estou retomando os trabalhos de revisão literária sobre a história ferroviária de São João da Barra e pretendo transformá-la em livro”, adianta.


Ilustre cidadão – A medalha João Oscar foi criada por meio da resolução nº 034/2019, de autoria dos ex-vereadores Alex Firme e Aluizio Siqueira, com o objetivo de prestar homenagem a cidadãos que vêm se destacando no município, tendo sido o escritor Célio Aquino, o primeiro agraciado. João Oscar foi escritor, historiador, poeta, romancista, professor universitário, advogado e tabelião. Nasceu no dia 6 de abril de 1939. Foi membro de várias academias de letras e institutos culturais e tem 14 livros publicados.

– Esta medalha tem o objetivo de reconhecer cidadãos que têm um vínculo forte com o nosso município, e o André Pinto preenche muito bem esse papel, não só por tudo que fez e faz pela cultura, história e meio ambiente, mas também pelo pai exemplar que é e por ser filho do saudoso João Oscar, ilustríssimo sanjoanense – destacou o presidente da Câmara, Elisio Rodrigues.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *