Audiência “Machadada” nesta segunda

506_cm

Os arrolados na Operação Machadada, realizada em outubro de 2012 pela Polícia Federal (PF), serão ouvidos pela Justiça Eleitoral de São João da Barra (SJB). Os depoimentos estão previstos para começar às 14h, no fórum da cidade, e serão prestados à juíza eleitoral Luciana Cesário de Mello Novais. Inicialmente, a audiência estava marcada para 3 de maio, mas foi adiada a pedido da advogada de um dos réus, que teria sido submetida a uma cirurgia de emergência.

A audiência será de instrução de julgamento, sendo ouvidas as testemunhas de defesa e de acusação. A operação resultou na Ação de Investigação Eleitoral (AIJE), foram presos em flagrante a então prefeita Carla Machado (PMDB) e o então candidato a vice-prefeito do PMDB, Alexandre Rosa. Entre os envolvidos, os candidatos a vereador Renato dos Santos Timótheo (PDT) e Alex Sandro Matheus Firme (PMDB), eleito vereador e atual líder do governo.

Além de Carla e Alexandre, a PF também acusou de participação no esquema o prefeito eleito José Amaro Martins de Souza, o Neco (PMDB). O grupo é acusado de formação de quadrilha e compra de votos.

Possível nova eleição

Em entrevista a um jornal on line local, a promotora de Justiça de SJB, Renata Carbonel, não descartou a possibilidade de cassação do prefeito Neco e a realização de uma nova eleição.

Carla foi presa por agentes da PF depois de participar de um comício de Neco, em Grussaí, a caminho de uma pousada na Praia de Atafona. Já a prisão de Alexandre Rosa aconteceu na localidade de Água Santa, no 5º distrito de SJB, na casa de Neco. Carla e Alexandre pagaram fianças de R$ 60 mil e R$ 50 mil, respectivamente, e foram liberados.

Na ocasião, o delegado titular da Delegacia da PF, em Campos, Paulo Cassiano Júnior, que comandou a operação, disse em entrevista coletiva que Carla Machado estava sendo investigada por compra de votos e formação de quadrilha. Segundo ele, a organização encabeçada pela então prefeita tinha como objetivo barrar a candidatura a vereador de coligações adversárias.

De acordo com Cassiano, alguns candidatos a vereador da cidade, procurados pelo grupo de Carla, não teriam aceitado a proposta e denunciado o esquema à PF, que iniciou as investigações da chamada Operação Machadada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.