SJB: Ministério Público admite nova eleição e alerta população

Promotora de Justiça concede entrevista a uma rádio e
fala sobre o processo que pede a cassação do prefeito Neco e faz alerta �
população sanjoanense

promotora 2

A promotora de Justiça de São João da Barra, Renata Carbonel, admite a possibilidade de uma nova eleição para a prefeitura. Ela também alerta a população sanjoanense para que não se deixe influenciar por favores eleitorais, que são práticas ilícitas, numa possível eleição para prefeitura, como ocorreu nas últimas eleições.

A promotora concedeu uma entrevista na manhã desta quarta-feira(30/01) ao repórter e diretor da  Rádio Grussaí FM , Luiz Fernando. Ela fala sobre o processo que pede a cassação do prefeito José Amaro Martins de Souza, o Neco (PMDB), e ainda a inelegibilidade e o pagamento de multa por  crimes de abuso de poder econômico, político e de autoridade, além de captação ilícita de sufrágio (compra de votos), com base nas provas apresentadas pela Polícia Federal(PF), que instruíram a ação do Ministério Público(MP). A ação, que já está conclusa, aguarda apenas a sentença da juíza da 37ª Zona Eleitoral (ZE/SJB), Luciana Cesário de Mello Novais. Confira a entrevista.

Luiz Fernando/Rádio: Penalidades que o prefeito Neco pode sofrer ?

Promotora Renata Carbonel – “Caso seja confirmado tudo que foi apurado pela Polícia Federal, que em suma é o que instrui a ação eleitoral, os principais pedidos são a cassação do diploma dos eleitos, posto que, já passamos da fase do registro e já tivemos a diplomação, e ainda a inegibilidade do prefeito por oito anos.

Luiz Fernando/Rádio: Sobre a possibilidade de nova eleição?

Promotora: “É possível que seja realizada uma nova eleição, a fim de que seja respeitada a vontade da população e sejam garantidos o exercício da democracia e da cidadania. Considerando o percentual de votos dos candidatos eleitos, é possível uma nova eleição.

Luiz Fernando/Rádio: Perfil de eleitor que o Minitsério Público espera na eleição?

Promotora- “Depois desse episódio, o Ministério Público espera que as pessoas analisem com muita cautela na hora de darem seus votos. É o destino, o futuro da cidade que está em nossas mãos. O eleitor precisa estar ciente disso e analisar de uma forma bem mais clara, com mais reservas, qualquer tipo de coligação que seja formada, qualquer tipo de favorecimento que venha ser vislumbrado. Oferecer cargos, não é lícito. Oferecer favores, não é lícito.  Participação indevida em processos licitatórios também não é lícito. Tudo isso é algo que deve ser rechaçado pela comunidade para que São João da Barra possa crescer e garantir a seus moradores todos os seus direitos”.

Luiz Fernando/ Rádio-  E a denuncia sobre número de eleitores que mora em outras cidades e favores prestados a parentes desses eleitores pela Prefeitura. Há possibilidade de um recadastramento eleitoral?

Promotora – É possível que isso seja feito sim. A gente precisa  analisar com cautela, porque são questões delicadas, questões políticas. Um recadastramento pode ocorrer num futuro próximo para que a gente possa avaliar essa questão do domicílio eleitoral que acaba sim influenciando no resultado da eleição.

Créditos: Site Campos 24 Horas e Rádio Grussaí FM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.