MORRE O JORNALISTA ALUYSIO BARBOSA

A mesa vazia na redação há quase dois meses já deixava uma imensidão, que no fim da tarde desta quarta-feira só ficou maior. Morreu aos 76 anos, o jornalista, fundador e consultor geral do Jornal Folha da Manhã, Aluysio Cardoso Barbosa.Seu corpo será velado, a partir das 22h, no salão da InterTV Planície, prédio leva o nome do jornalista.

O jornalista, como sempre fez questão de ser chamado, não resistiu a complicações provenientes de uma cirurgia para combater um câncer no pulmão. Ele estava há 33 dias internado no hospital da Unimed, onde permancia desde que retornou da cirurgia feita em Porto Alegre.

Há 34 anos, da ideia de um jornalista que queria dar espaço a notícias, muitas vezes veladas, nasceu a Folha. Ele queria fazer um jornalismo diferente, empregando o que aprendeu nos grandes centros trabalhando, por exemplo, no Jornal do Brasil.

Antes de fundar a Folha, foi editor de A Notícia, de Sílvio Fontoura e Hervé Salgado Rodrigues lá pelos meados dos anos 70.  Mas foi a Folha o seu projeto arrojado, com fotos mais nítidas, papel mais claro e um novo modelo gráfico off-set foi uma verdadeira revolução da mídia impressa em Campos.

Junto com a família, Aluysio Barbosa, o “Barbosão”, fez do Jornal um Grupo e deu espaço a centenas de jornalistas, que com ele aprenderam amar a profissão e, acima de tudo, fazer jornalismo sério.

Após o velórioiniciado nesta noite, que segue nesta quinta-feira, o corpo do jornalista vai ser cremado e suas cinzas ficarão no prédio da Folha, atendendo a seu pedido de permanecer no local que mais amava estar.

Depoimentos:

“O Jornalismo brasileiro perde um de seus grandes baluartes. Aluysio, com Diva, construiu um grupo de comunicação sólido e de alta credibilidade. Além de tudo, Aluysio era um querido amigo que sempre incentivou a minha carreira pública” 

Sérgio Cabral – Governador do Estado do Rio de Janeiro

“Campos dos Goytacazes perde um grande empresário e jornalista de primeira linha. Aluysio Barbosa muito contribuiu para o engrandecimento do jornalismo da região. É com profundo pesar que lamento a morte deste ilustre profissional de imprensa e dedicado chefe de família. Que sua trajetória de tenacidade e luta por um jornalismo sério e comprometido sirva de exemplo e referência para as novas gerações”�
Luiz Fernando Pezão -Vice-governador do Rio de Janeiro  

“Oro para que Deus possa confortar o coração da família e desejo que ela possa neste momento se apoiar na história de realizações e conquistas do jornalista e empresário Aluysio Barbosa”�
Rosinha Garotinho – Prefeita de Campos

“Aluysio Barbosa representa a transição do jornalismo romântico para o jornalismo profissional. Ele começou no Jornal A Notícia e depois criou o grupo Folha, de grande sucesso e que ampliou o mercado de trabalho. A Associação de Imprensa Campista (AIC) está de luto”. 

Orávio de Campos – Secretário de Cultura

 “Campos e a região perdem um ícone do jornalismo feito com garra, sagacidade, inteligência, e, acima de tudo, comprometimento com a verdade. Um profissional que sabia valorizar o bom trabalho, a ponto de ousar quando os demais veículos insistiam na mesmice. Por isso, a Folha atingiu o prestígio que tem hoje. Aluysio era um amigo afável, compreensivo, um ser humano difícil de ser esquecido. Vai fazer muita falta e vai deixar muita saudade”.

Martinho Santafé – Diretor da Revista Visão Socioambiental

 “Um mestre do jornalismo. Uma pessoa que fez a diferença na minha vida profissional e pessoal. Aprendi com “Seu Aluysio” a amar o jornalismo. Vai fazer uma grande falta em nosso meio. Uma perda para a sociedade”.

Verônica Mattos – Jornalista

 “Sr. Aluysio era um paizão. A lembrança que tenho dele, de 20 anos atrás, quando trabalhei no grupoFolha, era a deu homem apaixonado pelo jornalismo e que nos tratava com carinho e atenção. Ele, inclusive, sempre me dava carona até à redação, pois minha casa ficava no caminho que fazia para o jornal”.

Jô Siqueira – Jornalista

“Eu, particularmente, sempre nutri um grande respeito e admiração pela pessoa do Sr. Aluysio e digo que é uma perda irreparável para o jornalismo e para a sociedade. Transmito aqui, os meus sentimentos a toda a família, e em especial aos filhos Aluysinho e Christiano”.

Francisco Pessanha Filho. Ex-procurador de Campos

“O jornalismo de Campos perdeu um de seus mais importantes pensadores, o jornalista Aluysio Barbosa. Uma irreparável perda entre a intelectualidade da cidade. Lamento profundamente sua morte e associo o meu pesar ao de seus familiares, funcionários e colegas da Folha da Manhã”.

Makhoul Moussallem, médico e candidato a prefeito

 “Sempre vi o Aluysio Barbosa como um exemplo de repórter. No comando da Folha da Manhã, sempre agiu com firmeza e nunca se deixou manipular por qualquer tipo de corrente. É uma grande perda para o jornalismo de todo o Estado do Rio”.

João Peixoto, deputado estadual

 

“O conheci quando ele voltava ao município de Campos após atuar no Jornal do Brasil. Aqui, como fundador da Folha da Manhã, se tornou uma referência ao praticar o bom jornalismo, sempre agindo com firmeza sem perder a classe”.

Roberto Henriques, deputado estadual

“Sempre tive um grande carinho pelo Aluysio e ele sempre foi muito carinhoso comigo. Campos perdeu um grande jornalista. Com a sua serenidade e experiência, ele contribuiu muito em momentos importantes do nosso município”.

Nelson Nahim – Presidente da Câmara Municipal de Campos

 

“Nossa cidade sofre uma perda irreparável. Aluysio Barbosa é o maior jornalista de história de Campos e jamais deixou que esse jornalista fosse suplantado pelo também grande empresário, responsável por um vitorioso veículo de Comunicação do município e região. Para todos aqueles que o admiravam, Aluysio Barbosa não morreu – ficou encantado”.

Geraldo Venâncio – Secretário de Saúde de Campos

 

“Não há palavras para descrever o ser humano que “Seu Aluysio” foi ou o carinho e admiração que sempre nutri por ele. Tive a honra que acompanhar a rotina desse jornalista incrível na Redação da Folha da Manhã e tenho orgulho de dizer que muito aprendi com ele. Seu Aluysio marcou nosso mundo. Que sua família encontre conforto em um momento tão difícil”.

Verônica Nascimento – Jornalista


Aluysio foi um dos maiores jornalistas que Campos já teve nos últimos 50 anos. Dominava todas as áreas do jornalismo. Tanto que passou pela imprensa carioca, deixando a marca do seu talento no Jornal do Brasil. Um ser humano profundamente bom. Uma figura admirável, um amigo”.

Fernando da Silveira – Professor

 

“Sr. Aluysio era um jornalista que respirava jornal. Era seu oxigênio. Não se pode contar a história do jornalismo de Campos sem citar o seu nome. É uma grande perda para a imprensa campista, que está de luto”.

Hélio Cordeiro – Ex-presidente da Associação de Imprensa Campista e diretor de

Redação de O Diário”

 

“É lamentável. Sr. Aluysio teve participação importante na mudança do jornalismo campista, quando fundou a Folha da Manhã. Isso sem falar na sua atuação como repórter em A Notícia Jornal do Brasil. Uma perda para o jornalismo campista”.

Victor Menezes – Presidente da Associação de Imprensa Campista

“Aluysio foi um grande jornalista e na minha gestão na AIC, foi excelente colaborador. Chegou inclusive a pertencer ao Conselho da entidade. Recebo com tristeza porque a gente perde um excelente jornalista de Campos”.

Herbson Freitas – Ex-presidente da Associação de Imprensa Campista

“Apesar da diferença de idade sempre o chamei de Aluysio e nunca “seu” Aluysio como os colegas de minha geração. Tinha por ele um carinho correspondido de filho. Referência na minha vida profissional e pessoal. Fiquei órfão de pai pela segunda vez”.

Ricardo André Vasconcelos – Jornalista e ex-editor geral da Folha da Manhã

 

“Se eu exerço minha função tenho que agradecer ao Sr. Aluysio por tudo que me ensinou. No início era insegura e ele sempre me encorajou, foi como um pai que ensina o filho a andar de bicicleta. Tenho uma imensa gratidão e tenho certeza que vários outros jornalistas também têm”.

Francisca de Assis – Jornalista

 

“Meus sentimentos à família Abreu. Lamento o falecimento de Sr Aluysio Abreu Barbosa. Trabalhei na Folha da Manhã durante seis anos e lá aprendi fotojornalismo e fiz grande amigos, fui bem tratado por todos, principalmente pelo Sr Aluysio, que eu tenho bastante carinho”.

Leonardo Berenger – Fotógrafo


“Com um tratamento peculiar, ele foi o segundo pai de muita gente, inclusive o meu que sempre dispensava um carinho aos que estavam à sua volta chamando de “meu filho, minha filha”. Dificil não associar à Folha a Aluysio. Ele é a própria Folha. Aluysio é referência no jornalismo campista, a quem devemos ser gratos pela oportunidade que nos deu. Estamos de luto! A Folha está de luto!
Compartilhe”,

João Noronha – Jornalista


“Eu não só atuei com ele, mas iniciei minha vida no jornalismo o tendo ao meu lado no dia-a-dia da redação, há 15 anos… aprendi com ele muito do que sei, e ouvi muitas de suas estórias, algumas contadas pessoalmente por ele e outras relatadas pelo meu sogro José Cunha Filho e o meu marido Sérgio Cunha, sempre em momentos de lazer e de boas lembranças”.

Michelle Mayrink – Jornalista


“A cultura de Campos fica fragilizada com essa perda. Um jornalista empreendedor que escrevia como poucos. Uma perda imensurável para todos nós, para o jornalismo, e para o esporte”

Magno Prisco – Presidente da Fundação Municipal de Esportes“Campos perde um de seus jornalistas mais respeitados, além de uma grande pessoa, um grande profissional. O desporto da cidade e região também lamenta essa perda. O Americano se solidariza com os familiares”

Luiz César Gama — Presidente do Americano Futebol Clube“Ficamos compungidos e lamentamos o falecimento desse ícone do jornalismo. Através do Grupo Folha o esporte e a qualidade de vida sempre foram temas de abordagem. A família Alvianil acredita que o esporte nesse momento perde um referencial”
Jomar Garcia — presidente do Goytacaz Futebol Clube 
“Além de um ex-atleta, o Clube Esportivo Rio Branco e o jornalismo perdem um referencial. Aluysio Cardoso deixa saudade e a lembrança de uma figura apaixonada pelo desporto” 

Edson Moreira Reis — presidente Clube Esportivo Rio Branco “O jornalismo campista perde um dos seus grandes nomes. Ficamos desfalcados de um dos mais importantes professores, de um estilo e de um dos últimos ícones do velho Jornal do Brasil. Não há como mensurar uma perda como essa. Nos resta aprender com o legado deixado por “seu” Aluysio”
Arnaldo Garcia — Delegado Regional da Associação dos Cronistas Esportivos do Rio de Janeiro 
“Perdi um irmão mais velho e Campos perdeu o seu maior jornalista. Aluysio Cardoso Barbosa ao lado de Prata Tavares e Hervé Salgado marcou um novo tempo no jornalismo de Campos e região”

Péris Ribeiro – Jornalista e Escritor   “Aluysio era um jornalista de primeira ordem e, após fundar a Folha da Manhã, deu uma dimensão diferente para o jornalismo na região, além de levantar bandeiras corretas e pelo progresso dos municípios. Será uma voz que fará muita falta”.

Armando Carneiro – Prefeito de Quissamã  “Lamento muito o falecimento do grande jornalista Aluysio Barbosa, que tanto contribuiu para o fortalecimento da democracia na região, informando a população sobre os acontecimentos diários e com isso, colaborando para o exercício da cidadania”.

Riverton Mussi – Prefeito de Macaé

 “A imprensa, a região e toda a sociedade campista perdem um profissional super competente. Nossa cidade não seria nada se não fosse o empreendedorismo e a coragem do Sr. Aluysio em colocar no papel sua postura coerente e determinada. Nós devemos muito a esse homem que brigava pela região, principalmente pelo setor agrícola”

Frederico Paes – Presidente da Coagro“São vários os significados que o Sr. Aluysio tem para mim e minha família. Um verdadeiro amigo. A cidade hoje fica empobrecida porque perde um cidadão que sempre esteve presente nos acontecimentos. Além de jornalista ele era uma pessoa que defendia os interesses da cidade”,

Gel Coutinho – presidente do Siserj “Somente quem teve a oportunidade de conviver com Aluysio sabe sua capacidade de ser companheiro e operário da notícia. Ele não deixava escapar uma informação que lhe chegasse sem que a visse como pauta relevante à comunidade. Sabia também, com os olhos da fraternidade, estender sua mão a cada um dos companheiros de jornalismo”,

Antunis Clayton – Jornalista

“Um homem empreendedor, de olhos voltados para o crescimento regional. Os mesmos olhos que, com a audácia que os profissionais da Comunicação devem ter, viu primeiro e reportou o promissor desenvolvimento que o petróleo prometia para o Norte Fluminense”
Jorge Magal – Vereador e líder do Governo no Legislativo

“Apaixonado pelo jornalismo, Aluysio Barbosa poderia ter exercido sua profissão em qualquer grande jornal do país, mas optou por exercer sua profissão aqui, demonstrando seu amor por Campos. O jornalismo brasileiro está de luto. À professora Diva, ao Aluysio e ao Cristiano os meus sentimentos e que Deus os conforte nesse momento de extrema dor”�
Mauro Silva- Jornalista

 “O jornalismo em Campos se divide entre o antes e depois de Aluysio. Ele implantou o off set no município de maneira nobre e moderna. Era um profissional que valorizava o profissional. No meu caso, em particular, teve fundamental importância, pois me colocou no meio publicitário da região a partir de uma sociedade com Diva”
Cláudio César Soares – Diretor Regional da InterTV

 “O Jornalismo brasileiro e não apenas o de Campos perde um valor extraordinário por devotar toda a sua vida a respeitar a informação como o bem maior do jornalismo. Foi um exemplo de trabalhador de redação. Respeitava o fato como pérola da notícia que seria dada. Alguém de caráter acima de tudo. Além disso, de forma simples , sem arrogância, conseguiu construir mais que uma rede de comunicação: um patrimônio da terra campista. A Folha da Manhã, que tenho certeza que Diva e seus filhos manterão altiva, é um indicador que é possível, em qualquer ponto do Brasil se praticar jornalismo sério. Tenho orgulho de ser amigo, e muito amigo, de Aluysio Barbosa. Perdemos todos”
João Luiz Faria Neto – Jornalista

“Perde toda a região. Aluysio foi um homem valoroso, de muito preparo, inteligência e espírito público. Deixa bandeiras importantes como a boa aplicação dos recursos dos royalties, fortalecimento do setor sucroalcooleiro, integração regional. Cumpriu bem sua missão de pai, ser humano e jornalista”
Paulo Feijó – Deputado federal

“Aluysio foi um amigo do município e amigo da minha família. Jornalista sério, honesto. Com certeza deixa uma lacuna que irá demorar muito para ser preenchida. Sempre foi um exemplo”
Gilson Siqueira – Prefeito de Cardoso Moreira

“Aluysio Barbosa era um exemplo de profissional,de pai, de chefe de família. Um jornalista de sucesso e que tinha como característica, profissionalismo com imparcialidade e que fazia com que seu trabalho tivesse credibilidade impar. Uma lacuna difícil de ser preenchida no nosso jornalismo”
Frederico Barbosa Lemos – Prefeito de São Francisco de Itabapoana

“Era um grande homem e estará sempre na história do jornalismo brasileiro. Um orgulho para a cidade de Campos. Devem se orgulhar aqueles que conviveram com ele”
Luis Rogério Magalhães – Empresário

“Lamento profundamente a morte do amigo e jornalista. Aluysio foi um dos primeiros a me receber quando cheguei a Campos e comecei minhas atividades. Perde Campos e perde o Estado do Rio”
Renato Abreu – Empresário

“Aluysio foi mais que um amigo, um irmão. Somos amigos desde os tempos de Liceu, em 1949. Sempre me espelhei nele, pois foi um homem lutador, que se fez sozinho. Chamava-o de “meu chefão”. Sou Folha por causa de Aluysio. Vai ser difícil Campos viver sem ele”.�
Dib’s Hauaji – Fotógrafo

“O cuidado e atenção que ele sempre teve comigo, sempre foi um cuidado de filho. Um carinho especial por ele. Uma perda muito grande porque perco uma referência, um ombro amigo. Um momento muito triste pra mim”
Murilo Dieguez – Empresário

“Há dois meses perdi meu pai , hoje perco outro. É esse o meu sentimento. Barbosão nunca foi para mim um patrão. Foi sim, como o meu pai biológico ,um amigo, um mestre, e seus ensinamentos permanecerão. Saudade eterna “velho” porque saudade é o amor que fica. Ter sido a primeira e única mulher a ocupar o cargo de editora geral da Folha da Manhã é para mim uma honra Ter sido preparada por você para esse desafio aos vinte e poucos anos honra maior ainda”�
 Jane Nunes – Jornalista

 “Meu mestre, que tanto me incentivou e ensinou, que explicou tudo, generosamente, sobre técnica e sobre ética, que acreditou desde o começo no meu ‘jeito’ para repórter. Que despedida dolorida essa pra mim. O jornalismo brasileiro perde um dos seus grandes nomes. Mas a história vai honrá-lo”.
Júlia Maria de Assis – Jornalista

“A Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf) lamenta profundamente o falecimento do jornalista Aluysio Barbosa e se solidariza com a família, amigos e funcionários do grupo Folha da Manhã neste momento de dor. O município de Campos perde, neste momento, personalidade ímpar na história do jornalismo local”
Silvério de Paiva Freitas – Reitor da Uenf

“Aluísio marcou a história de Campos pela sua determinação e pelo extraordinário jornalista que sempre foi. Como profissional tinha faro pela notícia e conhecia como ninguém uma redação de jornal. Ele lutava pelo progresso de Campos. Hoje eu perco um grande amigo”.
Edvar Chagas – diretor da CDL

“Perdi um grande amigo, parceiro de festas, de cantoria, viagens internacionais, um conselheiro, um verdadeiro pai. Como jornalista é impossível descrever Aluísio que sempre foi apaixonado pelo que fazia e fazia muito bem, que era escrever. Ele tinha o dom da palavra através de suas mãos. Estou muito triste, a cidade está triste”.
Renato Duarte – Empresário
 Créditos: Jornal Folha da Manhã

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.