PORTO DO AÇU VENCE PRÊMIO INTERNACIONAL DE SUSTENTABILIDADE DA IAPH

Único porto da América Latina selecionado na competição concorreu com projeto de contingência relacionado ao incidente de óleo na costa brasileira em 2019

O Porto do Açu venceu o Prêmio Mundial de Sustentabilidade da Associação Internacional de Portos (IAPH World Ports Sustainability Award) e recebeu o reconhecimento pelo projeto inscrito na disputa em cerimônia virtual realizada nesta quarta, 24 de junho, pela IAPH. A premiação reconhece portos que aprimoram e coordenam esforços de sustentabilidade em todo o mundo. O Açu foi o único porto da América Latina a ter seu projeto selecionado junto a outros 45 que se candidataram ao prêmio, em seis categorias, dentro da iniciativa do Programa Mundial de Sustentabilidade de Portos. A votação começou em fevereiro deste ano e foi disponibilizada no site da IAPH para voto popular. Um júri qualificado e formado por nomes do setor marítimo reconhecidos internacionalmente também participou da escolha.

Concorrendo com alguns dos maiores portos do mundo, o Porto do Açu foi o vencedor na categoria Segurança e Proteção, com o Projeto de Preparação para Emergências. O plano preventivo, proativo e integrado teve como objetivo capacitar os diferentes terminais do Açu e agentes competentes para atuação em possíveis incidentes de grandes proporções envolvendo óleo, após um derramamento que se espalhou por praias do nordeste brasileiro, em agosto de 2019. Com a possibilidade da chegada do material no litoral de São João da Barra (RJ), onde o empreendimento portuário está instalado, o Porto do Açu criou uma força-tarefa para gerenciar e responder ao incidente, assumindo papel de destaque na integração com a comunidade portuária, parceiros locais, , municípios e estado, INEA e Marinha do Brasil. As ações incluíram a formação de Comitê de Crise, monitoramento de dados oficiais, elaboração de relatórios diários, realização de treinamentos e exercícios simulados, monitoramentos in loco, incluindo linha de praia e aéreo com uso de drones.

“É uma honra vencer esse prêmio, principalmente nesta categoria que enfatiza os principais valores do Porto do Açu: segurança nas operações, colaboração entre parceiros e comprometimento com a sustentabilidade. Para nós, é um reconhecimento fantástico da capacidade do nosso porto, ainda jovem, de atuar preventivamente por meio de ações integradas, respondendo ativamente a situações de emergências e mitigando riscos para as pessoas, o meio ambiente e a comunidade portuária. Este prêmio mostra que estamos no caminho certo e nos dá ainda mais motivação e energia para seguirmos adiante.”, afirma José Firmo, CEO da Porto do Açu Operações.

Caso o petróleo atingisse a orla, seriam diretamente afetados importantes projetos do Porto do Açu como a Reserva Particular do Patrimônio Nacional (RPPN) Caruara – a maior reserva privada de restinga do país – e o Programa de Monitoramento de Tartarugas Marinhas, que já devolveu ao mar quase 1 milhão de filhotes da espécie Caretta-caretta. A economia local também poderia ser prejudicada, já que muitos moradores da região dependem da pesca para sustento.

O vazamento chamou atenção para os desafios relacionados à capacidade de resposta a incidentes de grandes proporções envolvendo óleo e reforçou o importante papel que os portos podem desempenhar nas ações de preparação e combate a emergências. O intuito é que sirva de legado para que demais portos no mundo tenham um plano já estruturado de reação a incidentes desta natureza.

Origem do incidente ainda é desconhecida

Em agosto 2019, um derramamento de óleo atingiu mais de 2.000 km da costa brasileira em um incidente sem precedentes de proporções catastróficas. Mais de 5.000 toneladas de resíduos de petróleo foram coletadas na costa em 11 estados, um volume 20 vezes maior que a soma de todos os incidentes de petróleo relatados desde 2012 no Brasil. A origem do derramamento permanece desconhecida.

Sobre o Porto do Açu

Com atividades iniciadas em 2014, o Porto do Açu tem grande vocação para o segmento de óleo e gás devido à sua infraestrutura diferenciada e localização estratégica próximo às principais bacias offshore do país. O empreendimento portuário privado movimenta petróleo, minério de ferro, carvão, coque, bauxita, ferro gusa, carga geral e de projetos, entre outros. São 130 km² de área, sendo 40 km² de reserva ambiental. Atualmente, conta com 14 empresas instaladas: Porto do Açu Operações, Açu Petróleo, BP Prumo, B-Port (empresa do Grupo Edison Chouest), InterMoor, NOV, TechnipFMC, Wärtsilä, Ferroport, Anglo American, Dome, GNA (Gás Natural Açu), Estação Açu e Aeródromo Norte Fluminense.

Sobre o Programa Mundial de Sustentabilidade de Portos da IAPH (World Ports Sustainability Program – WPSP)

A Associação Internacional de Portos (IAPH) criou o Programa Mundial de Sustentabilidade de Portos em 2017. Guiado pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, o programa deseja aprimorar e coordenar os futuros esforços de sustentabilidade dos portos em todo o mundo e promover a cooperação internacional com parceiros da cadeia de suprimentos. O programa se baseia na Iniciativa Climática dos Portos Mundiais, iniciada em 2008 pela IAPH, e se estende a outras áreas do desenvolvimento sustentável. Fundada em 1955, a IAPH tornou-se uma aliança global de terminais, representando cerca de 200 portos e 140 negócios relacionados ao setor em 90 países.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *