Cedae vai apresentar projeto da demolição

Arnaldo Neto e Aldir Sales

Representantes da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) estiveram nesta quinta-feira em Atafona, junto com o presidente da Câmara de São João da Barra, Aluizio Siqueira, para avaliar as condições da caixa d’água localizada na esquina da rua João Batista de Almeida e a avenida Atlântica. O local está interditado pela Defesa Civil do município desde 22 de setembro, mas a Prefeitura, até agora, não havia estipulado prazo.

— Acompanhei os técnicos da Cedae na visita para elaboração de um projeto executivo, para a demolição da caixa d’água de Atafona. Levei essa reivindicação dos moradores pessoalmente à diretoria da Cedae no Rio. Agora que vieram aqui, me chamaram para acompanhar. Na próxima quarta eles devem apresentar o projeto para demolição e terei mais detalhes — afirmou Aluizio Siqueira.

Um das referências de Atafona, a caixa d’água da Cedae está com a estrutura comprometida pela força da ação do mar, que há décadas avança no litoral sanjoanense. Inicialmente, a Prefeitura chegou a determinar que a demolição ocorresse até o dia 30 de setembro. No entanto, a companhia teria pedido dilatação do prazo para a retirada de equipamentos como bombas e tubulações. Enquanto isso, o acesso à caixa d’água está proibido à população.

Jornalista, membro da Academia Campista de Letras e pesquisador da história de Atafona, João Noronha comentou sobre a construção do primeiro reservatório e a necessidade do atual:

— O campista governador (1966-1967) do Estado do Rio de Janeiro Teotônio Ferreira de Araújo (1918-1978) implementou o sistema de saneamento e água encanada até o antigo Pontal. Com o aumento populacional de Atafona, a primeira caixa d’água não estava dando vazão para a demanda. Foi então que no final dos anos 1980, início dos anos 1990, foi construída a segunda caixa d’água, essa que está comprometida hoje. A estrutura dela é de concreto e com cisternas que funcionam como reservatório abaixo dela — explicou o pesquisador.

Créditos: Jornal Folha da Manhã

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *