“Escândalo” dos eleitores em São João da Barra

O procurador regional eleitoral no Estado do Rio de Janeiro, Maurício da Rocha Ribeiro, se manifestou de forma favorável ao pedido de revisão do número de eleitores de São João da Barra (SJB), pleiteado pela comissão provisória do Partido Republicano Brasileiro (PRB) local, que denuncia indícios de fraudes no processo eleitoral do município. SJB tem, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 32.747 habitantes, contra pouco mais de 29 mil eleitores. “Considerando os indícios apresentados, a Procuradoria Eleitoral concorda com o pedido de revisão do número de eleitores da 37ª Zona Eleitoral de São João da Barra”, decidiu o procurador.

advogado 1

O advogado Antônio Maurício Costa classificou a discrepância como um “escândalo” que não pode ficar impune e compromete até mesmo a legitimidade das eleições no município. “Há claros indícios de fraudes nos processos de transferências de eleitores em razão da discrepância entre o a população e o quantitativo de eleitores. Se providências não forem tomadas, corre-se o risco de que seja afetada a legitimidade das eleições porque o destino do povo de São João da Barra será decidido por pessoas que não ostentam capacidade para estarem alistadas por não terem domicílio eleitoral no município”, afirmou.

Suspeitas na concessão de bolsas de estudo

Segundo Maurício Costa, as evidências de irregularidades tiveram início quando a então prefeita Carla Machado (PMDB) começou a mudar o valor do Cartão Cidadão do município. Há suspeitas de interferências na concessão de bolsas de estudo no processo eleitoral. “Nada contra os programas sociais, apenas somos contrários à forma como ele vem sendo utilizado em São João da Barra, como moeda de troca eleitoral”, ressaltou o advogado.

Ao se comparar o percentual de votantes, a conclusão é de que o número de eleitores chega a 91,38% da população do município. O pedido tem amparo nos dados apurados pelo IBGE de 2010, quando foi atestado pelo instituto que a população sanjoanense era de 32.747 pessoas, mas o município contava com 29.326 eleitores segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em dezembro de 2011. “É de domínio público que várias fraudes estariam ligadas aos programas sociais do governo municipal, inclusive a concessão de bolsas de estudos em faculdades, além de inúmeras outras fraudes que contribuíram para esses números absurdos entre eleitores e habitantes. Existe o claro risco de comprometimento das eleições nos próximos anos”, concluiu Costa.

Créditos: Jornal O Diário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *