Tradicional desfile da Banda Maluca marcou o domingo de carnaval em SJB

Banda Maluca 2

O domingo de carnaval em São João da Barra começou com o tradicional desfile da Banda Maluca que desde 1938 se apresenta pelas principais ruas da cidade levando alegria ao som dos dobrados musicais e descontração com suas brincadeiras.

Como tantas outras maluquices no carnaval sanjoanense a Banda Maluca é uma invenção local constituída de pessoas das mais variadas profissões, onde rareiam os músicos profissionais.

Sob a regência dos maestros Márcio Melo da Silva, Fabricio Berto e Marcel Melo, vestidos com uma farda de almirante de esquadra e os músicos vestidos com calça branca, camiseta branca, tênis branco e um quepe vermelho  a banda percorreu um circuito alternativo de rua levando alegria para os moradores, veranistas e turistas que curtem o carnaval.

“Além do desfile pelas vias principais, fizemos nossa tradicional apresentação em seis residências de famílias sanjoanenses que ofereceram um coquetel aos integrantes da banda”, destacou o Maestro Márcio Melo que se orgulha em colocar a banda na rua mantendo a tradição do seu pai já falecido conhecido carinhosamente como Ezinho.

Segundo o escritor Célio Aquino, a Banda Maluca se reuniu pela primeira vez em 1938 no Sobrado localizado na rua dos Passos, onde funcionou a Alfaiataria de Chico Oliveira. Na época, a frente da banda o carnavalesco Amédio Venâncio da Costa, seguido por Coriolano Henriques, Domingos Bacalhau, Maneco Cintra, Agenor de Souza Pinto, Esio Germano, Juvenil Azevedo, entre outros músicos da Banda União dos Operários.

– O maestro Amédio Venâncio da Costa conhecido como “Amédio Maria” ficou a frente da banda desde sua fundação até o ano de 1959, quando passou a regência da banda para o Maestro Ezinho que entrou na banda como músico em 1942 – informou o escritor.

Atualmente todo domingo de carnaval, às 13h, os integrantes da Banda Maluca se reúnem na concentração no Salão de Festa do Casal Cassulinho e Maurícia na Praça de Santo Antônio. De acordo com Cassulinho, uns dos mais antigos músicos da Banda Maluca que ainda desfilam, as portas de sua casa sempre estarão abertas para a banda. “Hoje não temos o nosso tradicional maestro Ezinho, mas o seu filho Márcio Melo, e os seus netos Fabricio Berto e Marcel Melo estão desempenhando muito bem o seu papel com a mesma garra, determinação, seriedade e prazer de brincar o carnaval”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *